Qual o nível de competitividade da sua escola de Educação Infantil?

Atualizado: 24 de Mai de 2019



Quer competir e crescer de forma sustentável? Veja como desenvolver estratégias vencedoras.

Esse material não pretende, de forma alguma, esgotar o assunto abordado, mas sim motivar os gestores a refletirem acerca de como oferecer excelência na Educação Infantil e se tornar competitivo na oferta do segmento.

Essa questão sobre competitividade em Educação Infantil originou a partir de uma recente visita feita a uma escola desse segmento, e a diretora me perguntou: “Como posso desenvolver estratégia competitiva e alavancar novas matrículas?”.

Segundo Michael Porter estratégia competitiva “é a busca de uma posição competitiva favorável, ou seja, refere-se ao modo como uma escola decide competir em um mercado em resposta às estratégias e posições de seus competidores de modo a ganhar uma vantagem competitiva sustentável”.

Respondi à professora que a primeira etapa para competir na Educação Infantil é garantir que todos os educadores tenham vocação e amor para ensinar crianças em seus primeiros passos de acolhimento, trocas, histórias, brincadeira e o conhecimento de si, do outro, do mundo e da ciência.

Além disso, o plano inicial e inegociável é investir na qualidade da educação oferecida aos alunos. Comece pelo início, tenha uma proposta pedagógica atualizada e com foco no aprendizado, com expectativas bem definidas por eixos e por idade, tendo como base estudos recentes sobre o desenvolvimento infantil e, naturalmente, o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI), do Ministério da Educação do Brasil (1999).

Não caia na tentação de assinar longos contratos com sistemas de ensino mercantilistas da moda, mas invista, sim, em propostas coerentes com o que você acredita e com sua realidade local. Nesse sentido, escolha um projeto infantil que apresente toda uma concepção acerca de escola, a respeito de criança e Educação Infantil, que perpasse o material didático do aluno, mas vá muito além dele. Investigue se os autores são pesquisadores e especialistas em Educação infantil, de preferência que tenham mestres e doutores envolvidos na coordenação do projeto. Aliás, é importante escolher editoras que forneçam além do material didático formação continuada para os professores e não pilotagem do material, bem como consultores pedagógicos que visitem sua escola para tomar café. Invista pelo menos 2% do seu faturamento anual na formação continuada de seus professores ou, minimamente, 40 horas por ano. Desperte em seus educadores o desejo de estudar continuamente e produzir artigos de resultado de pesquisas pessoais. Premiar e divulgar os trabalhos de seus professores é uma forma de reconhecimento e motivação.

Esqueça escorregadores caros e de última geração; sua escola não é um parque de diversão e presumo que não funcione à noite como buffet infantil; as crianças precisam de atividades lúdicas que despertem a exploração, os desafios e a descoberta pertinente a sua idade e, naturalmente, sua escola precisa ter espaço para o desenvolvimento dessas atividades. Garanta que o brincar se torne um eixo valorizado no trabalho da Educação Infantil, para além de práticas espontâneas.

Registre o aprendizado dos alunos por meio de portfólio, pelo qual a família poderá acompanhar as atividades de seus filhos, proporcionando fácil acesso aos pais aos resultados de aprendizado; além disso, envolva toda a família no processo de ensinar e aprender.

Desperte a cultura de educação nas famílias por meio de boletins bimestrais, alinhando as expectativas de aprendizagens, relatando o que foi ensinado e incentivando a continuidade no processo de educação e descobertas. Conforme o estudo “Starting Strong 2017″, recém-divulgado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), publicado no site Porvir, o engajamento familiar é fundamental para manter o aprendizado em casa juntamente com a equipe escolar e são fatores associados ao sucesso acadêmico no futuro e também ao desenvolvimento socioemocional dos alunos. Nesse sentido, realize reuniões pedagógicas com as famílias de modo que elas entendam o projeto educacional da sua escola e além de todos os benefícios citados, a família também será divulgadora da sua marca. Se for possível, implante agenda digital para acompanhar o nível de participação da família na escola e encurtar a barreira da comunicação.

Outro fator importante: Garanta que sua escola tenha segurança, qualidade na alimentação e infraestrutura adequada. Busque certificação que ateste que sua escola atenda processos de qualidade, além de comprovação das horas das formações dos educadores.

E por fim, mas não menos importante: Consolide tudo isso em uma apresentação de Power Point para apresentar aos futuros pais, mostrando que sua escola oferta uma proposta de ensino completo para uma educação mais ampla, humana e equilibrada.

Apresente a estrutura básica para o funcionamento da escola, como certificado de bombeiros, e todos os registros necessários para transmitir segurança à família da criança. Para os pais mais ansiosos, mostre gráficos de registro de aprendizado da linguagem oral e escrita com as hipóteses de escrita dos alunos de 5 anos no final do período escolar. Não deixe de destacar o quanto a escola investiu na formação dos seus professores.

Faça um vídeo com depoimento de alunos, professores, coordenadores e pais confirmando os resultados pedagógicos. Abuse dos gráficos de pesquisa de satisfação dos pais no ano anterior, são eles que geram o diferencial competitivo que você busca na sua escola, pois comprovam o amor, alegria e a aprendizagem dos seus filhos em sua instituição de ensino. E depois, prepare-se para um pedido dos pais, para que seja aberto também o Ensino Fundamental!



João Maurício é Consultor em Gestão Escolar, formado em Administração de empresas com MBA em Marketing, estudando MBA em Gestão Escolar pela ESALQ USP. Atua na implantação de certificação da qualidade e em pesquisa de mercado com desenvolvimento de estratégias competitivas. Desenvolve estudos sobre Competitividade, Qualidade, Crédito e Cobrança para Instituições de Ensino Básico.

Referências bibliográficas

OLIVEIRA. A Educação Infantil pelo mundo e os fatores de sucesso. Disponível em:

<http://porvir.org/educacao-infantil-pelo-mundo-os-fatores-de-sucesso//>. Acesso em: 20 de agosto. 2017.

PORTER, Michael E. Competição - estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Editora Campus.

#Concorrência #Estratégia #Estratégiacompetitiva

75 visualizações